Bolo Oscar II – a tarte de amêndoa do Ikea – finalmente!

Oscar II foi o último rei da Suécia e Noruega e penso que é por esse motivo que este bolo é tradicional nos dois países e graças. ao Ikea conhecido por todos.
Eu já tinha feito este bolo, constituído por um merengue com amêndoas e um creme de gemas e manteiga várias vezes e sem receita, mas depois da mensagem da Maria João, lembrei-me que talvez muitos mais leitores quisessem aprender a fazer esta sobremesa em casa.

DSC_0035-2a
E para fazer a receita a preceito, segui a que vem na bíblia dos bolos e bolinhos suecos, o Sju sorters kakor, foi o meu mal.
Como vos contei ontem, falhei a receita três vezes, ora o merengue, ora o creme, ora o caramelo… um par de vezes por estar distraída, outras porque simplesmente não era o meu dia…
E à quarta tentativa cá está a torta de amêndoas do Ikea. Sugiro-vos que sejam mais pacientes do que eu e esperem até o creme ter solidificado um pouco mais antes de o usar, mas à parte disso, não estou descontente.

DSC_0039a

 

Para vos ser honesta, esta manhã acordei decidida a vencer a batalha que tem sido fazer este bolo, fui às compras, (no domingo usei todos os ovos, açúcar e amêndoas que tinha em casa), e fechei-me na cozinha. Habitualmente adoro estar na minha cozinha, mas hoje mais do que fazer um bolo ou descontrair-me com o meu passatempo favorito, estava preparada para uma batalha.
O resultado não é perfeito, podia ter aparado os merengues e esperado que o creme estivesse mais sólido, mas venci o Oscar II, posso suspirar de alivio, não volto a ver estes merengues tão cedo.
Deixem-me dizer-vos apenas que esta não é de todo uma receita difícil. É constituída apenas por três elementos muito fáceis de preparar. Eu é que aparentemente estou demasiado cansada para seguir uma simples receita.

DSC_0041a

Desta sobremesa fazem parte os seguintes elementos:

Merengues
Praline
Creme de gemas e manteiga

Vamos à receita:

Merengues:
Ingredientes:
4 claras
125 g de açúcar
100 g de amêndoas picadas com pele

Preparação:
Aqueçam o forno a 150°C. Desenhem 3 círculos numa folha de papel vegetal.(usei o tamanho de um pires de chávena de chá)
Batam as claras em castelo, acrescentem o açúcar aos poucos. Cuidadosamente envolvam as amêndoas picadas. (a gordura das amêndoas vai fazer as claras perderem ar, por isso têm de trabalhar rapidamente).
Dividam o preparado pelos 3 círculos, alisem e levem ao forno durante 30 minutos.

Praline:
120 g de amêndoas com pele
100 g de açúcar

Preparação:
Com o açúcar e um pouco de água, façam um caramelo escuro, mas não o deixem queimar.
Deitem-no sobre as amêndoas, deixem secar, partam-no em pedaços e piquem-no mais ou me-nos finamente como preferirem.

Creme/recheio

4 gemas
1 colher de café de extrato de baunilha
150 g de açúcar
0,5 dl de natas
175 g de manteiga

Preparação:
Batam todos os ingredientes excepto a manteiga e levem o preparado ao lume, mexendo sempre até engrossar. Vão notar que o creme está a ficar mais espesso uns segundos depois de um fuminho começar a surgir junto às paredes da panelinha, tenham muito cuidado para não fazerem ovos mexidos!
Passem o preparado por um passador de rede fina, deixem-no arrefecer um pouco e com a ajuda de um batedor elétrico vão juntado a manteiga amolecida batendo até o creme estar frio. Reservem no frigorífico até montarem o bolo.

Montagem:
Coloquem os merengues num prato alterando com o praline e o creme de gemas, cubram com o creme e polvilhem com mais praline para terminar.

Sem rei nem rumo e a sobremesa perdida

Não sei se se recordam de vos ter falado de uma sobremesa que eu tinha feito para um grande banquete, e de recear que nenhum dos chefs que efectivamente serviram a comida se lembrar de tirar uma fotografia, o que está claro aconteceu.
Ontem, andava eu a organizar um congelador no Stortorget quando me deparei com a bavaroise de chocolate e o sorbet de morango que tinha feito há umas semanas.

DSC_0030a
E já se está mesmo a ver que coloquei uma porção da sobremesa numa caixinha e trouxe-a para casa para vos poder mostrar. (Trazer a refeição que pagamos automaticamente por trabalhar no hotel é um hábito entre chefs porque nunca temos tempo, nem nos apetece comer durante o trabalho, eu costumo trazer uma salada, ontem, para ser mais saudável, uma sobremesa.)

DSC_0029a
Esta noite trabalho no Stortogert e sirvo sozinha um jantar para trinta e quatro pessoas, prato principal e sobremesa, mais opção vegetariana e alergias, enquanto faço o serviço à lá carte.
Ao mesmo tempo tenho de preparar o jantar para quarenta maçons e enviar tudo para a loja deles até às sete. Serviço começa às seis, o grupo senta-se às sete.
No Kramer trabalham dois chefs para servir um grupo de vinte e quatro e o à lá carte. Não sei o que se anda a passar na cabeça do HC, mas a esta altura do campeonato nem vale a pena pensar muito nisso ou tentar falar com ele, porque nada nunca é resolvido ou organizado.

DSC_0020a
Embora o meu turno só comece às quatro, vou (sem registar as minhas horas) começar às duas porque para ser sincera tenho medo de não ter tempo de fazer a preparação toda e a mise en place do à lá carte em duas horas. (É claro que não tenho tempo, o HC não encomendou a comida a horas e eu tive de o fazer ontem, pelo que os ingredientes para o jantar desta noite só chegaram hoje de manhã.)
Eu sei que todas as carreiras têm os seus contras e exigências e eu tenho a sorte de ter um emprego do qual gosto muito, mas trabalhar assim, sem nenhuma orientação, sem sabermos o que andamos a fazer…..
(Desculpem os meus contantes desabafos, passem por cima, sigam para a receita que é bem mais agradável.)
Por hoje deixo-vos apenas com a receita da bavaroise. O chocolate cristalizado e a mousse seca, vao ter direito a vídeo!! E quero fazer um posr só sobre sorbets mais tarde.

DSC_0033a (2)
Estou livre este fim de semana inteirinho e já sei que vou passar os dias a fazer vídeos. (O viking está com gripe, por isso até é bom eu me esconder na cozinha e evitar o “Aiiiii amor… ai…. Estou tão doente….traz-me chá… apetece-me uma torradinha…”

Bavaroise de chocolate escuro

Ingredientes:
2,5 dl de leite
75 gramas de açúcar
150 g de chocolate 70% picado finamente
6 folhas de gelatina
3 gemas
5 dl de natas

Preparação:
Batam as gemas com o açúcar até obterem um creme esbranquiçado e espesso. Aqueçam o leite e o chocolate. Coloquem as folhas de gelatina a demolhar em água fria. Sem parar de mexer deitem o leite morno sobre a mistura de gemas e açúcar. Levem ao lume mexendo sempre até engrossar um pouco. (Para ver se o creme está pronto passem o dedo nas costas da vossa colher de pau, se conseguirem uma pequena “estrada”, o creme está cozido, se estão a usar um termómetro este deve marcar 80ºC)
Retirem rapidamente do lume, deixem arrefecer um pouco antes de juntar as folhas de gelati-na bem escorridas. Mexam até dissolver bem. Passem o preparado por um passador de rede e deixem arrefecer. Envolvam cuidadosamente as natas batidas no creme. Coloquem-no em tigelas para servir e levem ao congelador durante uma hora, passado este tempo podem guar-dar o vosso creme no frigorífico até ao momento de servir. Se querem fatias fininhas e direitas, congelem a bavaroise e cortem-na com uma faca quente.