Ana - cozinheira

Ataques de nervos, bailaricos e a Maçonaria….. parte I

(vejam por favor a nota sobre as fotografias usadas no fim do post)

Pergunto-me por vezes se os meus leitores questionam a veracidade das minhas historietas. Se julgam que eu para puxar à lágrima ou pelo efeito cómico, exagero um pouco ou acrescento uns pontos à verdade, garanto-vos que não. O que aqui escrevo é o meu dia-a-dia sem tirar nem pôr, e deixem-me que vos diga, há dias que quando chego a casa tenho a sensação de que não passo de uma personagem numa peça surrealista.

Assim foi o meu dia de ontem.

Há uns meses fomos informados de que um hotel do outro lado da Praça do Município onde o Kramer se situa, seria comprado pelo grupo Scandic e de que o meu head-chef passaria a dirigir duas cozinhas.
Na cozinha do outro lado trabalham dois chefs em part time, a cozinha é pequena e desorganizada e a brigada do meu head-chef do nosso lado, não descansou enquanto não invadiu também a cozinha do outro hotel.

https://i2.wp.com/malmo.se/images/18.5d8108001222c393c00800057666/1383646772743/kramer.jpg
kramer – a minha segunda casa

Como já vos disse a cozinha de um hotel é muito mais stressante do que um restaurante vulgar. Há hotéis Scandic onde só se servem hamburgers e saladas para além do pequeno-almoço, mas no Kramer temos também serviço de almoço e jantar à lá carte, eventos, after work, casamentos, conferências, grupos que pedem um menu especial, buffets para companhias….

https://i0.wp.com/media-cdn.tripadvisor.com/media/photo-s/06/8d/56/9e/scandic-stortorget.jpg
Stortorget – o mano mais novo do Kramer

 

Aquando da tomada do outro hotel o head-chef herdou também um contracto com a Maçonaria que tem a sua casa, penso que se chama “loja”, na mesma praça.
De um momento para o outro estamos também a servir banquetes, buffets, almoços e jantares sem parar. E não há como lhes agradar, mudam os menus no dia dos banquetes, reclamam porque lhe servimos almôndegas feitas por nós em vez de as comprarmos congeladas (?!), reclamam das fantásticas sobremesas que servimos, reclamam.

https://i1.wp.com/www.sydsvenskan.se/Images2/2014/3/30/HEAfrimurar31.jpg
Loja maconica – malmö

 

Para ontem estava previsto um banquete para 140 pessoas, se seguem a minha página do facebook, lembram-se que numa destas noites tinha já feito a bavaroise.

Ainda planeado para ontem estava eu começar às 16.00, fazer o serviço de jantar no kramer, às 18.00 chegaria um extra para eu poder correr para a cozinha dos maçons e ajudar dois colegas a servir o banquete e guiar o extra via telefone.

Estava planeado mas já não tinha de ser. Se há no universo um grande plano, a mim coube-me a parte de nunca poder fazer um plano para o dia seguinte…

https://i1.wp.com/www.sydsvenskan.se/Images2/2014/3/30/HEAfrimurar5.jpg
a grande sala dos banquetes

 

Ontem, 10.00. O viking e eu estávamos prestes a sair para as compras quando o telefone tocou. Reproduzo o diálogo:

Head- chef: Ana, Ana onde estás?
Ana: Em casa, o que se passa?
HC: Queres começar hoje um bocadinho mais cedo?
Ana: Por acaso não quero, mas vou. A que horas? Aconteceu alguma coisa?
HC: Ai as codornizes, ele não tratou das codornizes e agora os maçons também querem trocar o menu desta noite, e acabaram de marcar um almoço, e são 60 para almoço hoje, e ninguém sabia, e os inventários, e as codornizes…
Ana: Hm? Quais codornizes? Qual almoço?
HC: Get over here, right now!
Ana: Sim, chef.

Peguei nas facas, larguei os planos, os meninos, as compras e o viking.

A situação era grave. Um dos meus colegas, Nickas, tinha também sido chamado para frente de batalha.
Eu fui imediatamente posta a preparar o banquete, e as benditas 140 codornizes que o extra que tinha trabalhado na véspera se negou a arranjar.
Meus amigos, sábado de manhã, toda bonita para sair e meia hora depois estás de uniforme a arranjar e atar codornizes, não é fácil não.
O meu colega começou com a entrada, lá desenrascámos o almoço, o meu head chef deu uma ajuda enquanto ia tentando fazer o inventário.
Mas o problema maior é que mais uma vez os maçons tinham mudado de ideias e sábado de manhã decidiram que já não queriam nem as codornizes nem a bavaroise que tinham encomendado. Nós fizemos também frango, trocámos os acompanhamentos, alterámos um pouco a sobremesa, e com o Bjarne que começou um pouco depois, o quarto elemento da nossa brigada, estávamos preparados para a guerra, ou pior, mais um banquete para a Maçonaria.

Toda esta preparação é feita na cozinha pequenita do segundo hotel, guardamos tudo organizado em tabuleiros e duas horas antes do serviço levamos a comida e tudo, de colheres a papel de alumínio, para a cozinha maçónica.

A entrada principal para a “loja” é do outro lado da rua da nossa cozinha, e tem acesso a um elevador para o segundo andar onde está situada a cozinha deles, que é um pouco maior do que uma cozinha doméstica mas com um forninho maior e uma máquina de lavar loiça como há nos cafés.

E vocês pensam: “então, mas isso não dá trabalho nenhum…levam tudo num carrinho, atravessam a rua, metem-se num elevador…”
Pois, era….não fossem os maçons não quererem a gentalha, vulgo nós, à vista dos seus convidados.
Temos portanto de carregar com os tabuleiros, dar a volta ao quarteirão, entrar por um beco nas traseiras e alancar escada acima com a mercadoria.

https://i2.wp.com/www.svt.se/cachable_image/1382281264/svts/article1543354.svt/alternates/large/frimurmix.jpg
Uma fotografia da exposicao. Na imagem da direita a entrada da loja à direita e as traseiras da cozinha do hotel à esquerda.

 

Isto parece-vos loucura e é….. Janeiro na Suécia, nós na rua de uniforme de manga curta a carregar tabuleiro atrás de tabuleiro, verdade seja dita que passados 10 minutos já estamos a suar as estopinhas e nem precisamos de casaco.

Eu na realidade não posso reclamar, porque como sou meio cegueta mal me consigo guiar pelas escadas escuras, de pedra e em meio caracol. A primeira vez que trabalhei nestes banquetes, quase cai um par de vezes na escada e quando finalmente cheguei à cozinha com a caixa de 15 quilos de couves de Bruxelas, pedi aos meus colegas para por favor carregarem com a comida sem mim, ou íamos acabar por ter perus espalhados pelo beco.

 

O menu de ontem era o seguinte:

Entrada:
Sandes de arenque (vários tipos), ovos, creme de ervas, cebolas vermelhas em pickles, endro, agriões, salsa, e cebolinho.

Prato Principal:
Puré de batata com queijo (tipo queijo da ilha)
Codornizes no forno
Peitos de frango grelhados
Couve branca salteada em manteiga e tomilho-limão
Molho de vinho tinto

Sobremesa:
Bavaroise de baunilha
Crumble
Puré de mirtilos
Frutos silvestres

Loicas da loja de Malmö
Loicas da loja de Malmö

Até à hora de finalizarmos a mise en place, havia apenas um pedido de um dos convidados, que desejava evitar o glúten. Eu insisti: “E vegetarianos? Comem todos aves? Têm a certeza? E lactose? (eu já a temer pela bavaroise cheia de natas) nada? Só um sem glúten? Olhem que assim que começa o serviço não podemos cozinhar, não temos nada na vossa cozinha…”

Eu corri para o kramer fiz a mise para o à lá carte, organizei a cozinha e esperei até que chegasse o extra para poder voltar aos maçons a tempo de servir a entrada.

Deixem-me dizer-vos que as salas e salões da Loja maçónica de Malmö são fantásticos, eu já espreitei alguns, mas por respeito nunca tirei fotografias. O local do banquete é enorme, tem um pequeno palco, lustres que não cabiam no meu apartamento todo, quadros e mais quadros, piano, local para a banda…

Os maçons e os seus convidados estão vestidos a rigor, ouvimos da sala a música e as gargalhadas, o pessoal do serviço não tem mãos a medir com as bebidas e um pouco antes de sair o primeiro prato nós colocamos os pratos em pilhas, organizamos todos os elementos, esponjinhas para limpar alguma imperfeição, e ao sinal empratamos 140 entradas em minutos.

Com o primeiro prato servido e nada de reclamações, estávamos todos de bom espírito. O head chef tinha vindo para ajudar o prato principal, comida no forno tudo ready to go.

Pensámos nós…..

Cenas do próximo episódio:
Começa o bailarico.
Bom senso e bom gosto nos vestidos de noite depois dos 60.
“Não foi esta a comida que encomendámos!!”
“Tirem o head-chef da cozinha, por favor!”

Ah ….e a sobremesa que servimos.

Nota sobre as fotografias: À exceção do emblema dos maçons de Malmö, as restantes fotogra-fias foram retiradas de jornais suecos e documentam o pequeno período em que a maçonaria abriu a sua loja ao público para uma exposição. Sendo esta uma casa privada, não me senti bem a tirar ou publicar fotografias sem autorização.

9 thoughts on “Ataques de nervos, bailaricos e a Maçonaria….. parte I

  1. Bom dia Ana,
    Que stress!!!
    Só muito amor à profissão, muita calma e disciplina permitem fazer tudo o que descreves sem perder o controle e deitar tudo por água abaixo!!
    E olha, eu sou das que acredita em cada linha do que escreves, pois consigo visualizar na íntegra, todo o stress, felicidade e estados de espírito dos teus relatos.
    O Chèvre chaud acabou por ainda não acontecer, pois houve alteração de planos (tal como com os teus maçons, lol) mas acontecerá entre hoje e amanhã. Depois mostro o resultado sim.
    Quanto ao girassol batateiro, sim, já fiz sopa (divina, está lá no blogue), já fiz em salada, com frango (também no blogue) e tenho ali uns quantos, precisamente para utilizar numa receita com vieiras e achei piada ao facto de tu teres mencionado essa combinação :)).
    O livro do Senhor MPW já veio e devorei-o o fim de semana todo. LINDO!!! É um Senhor mesmo! Obrigada por mo relembrares.
    Um beijinho grande e boa semana,
    Lia

    Gostar

  2. Uau, só de ler fiquei com a respiração pesada 😛 Quero ler a segunda parte, agora!
    Eu por acaso estou sempre a dizer que trabalhar assim num restaurante ou coisa do género deve ser muito stressante, é uma responsabilidade… A minha avó, que é uma sabida, diz que nem que lhe pagassem um milhão de euros. E digo-te já, esses milionários perdem uns bifes de cebolada e uma sopa de couves… hahaha 🙂

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s