Por aí

Edimburgo – fantásmas, gaitas e haggis

Depois do maravilhoso jantar no Aizle e de termos visitado mais uns pubs no caminho para o hotel, adormecemos exaustos e cheios de expectativa para o dia seguinte.

IMG_8402.JPG

Sábado acordámos cedinho, e munidos do nosso google maps, saimos do hotel ainda antes de tomarmos o pequeno almoco.

IMG_8367
Lá vou eu rua acima!

Começámos o dia no topo da Royal Mile, perto do castelo que já se estava a apinhar de turistas japoneses, nós optámos por nao visitar de novo este local, havia mais coisas para ver.

IMG_8405

IMG_8403

A nossa primeira paragem foi em St Giles Cathedral (sec XIV)

IMG_7466.JPG

IMG_8398.JPGIMG_8397.JPG

IMG_7471.JPGIMG_7470IMG_7469

Na cripta da Catedral há um cafezinho (adoramos cafés em criptas de igrejas),  que até tem uma esplanada para as traseiras, onde tomámos o pequeno almoço. Eu provei pela primeira vez  papas de aveia. Estas com aveia escocesa, maÇã , mel e natas. Tão, tão bom que roubei a receita para o restaurante

 

Passámos também pelo mercado da Royal Mile. O local do mercado, numa igreja, é mesmo bonito e alternativo, mas não encontrámos nada que não fosse artesanato, daquele que se vende em todos os lugares….

IMG_7476.jpg

IMG_7475.jpg

Mesmo em frente à catedral está o Heart of Midlothian que marca o antigo centro administrativo da cidade onde estava localizada também a prisão e local de execucoes.

IMG_8399

IMG_7467.jpg

As compras comecaram na Fudge house. Eu costumo achar algum fudge demasiado doce,  mas o desta loja na Royal Mile é uma delicia. o.jpg

IMG_7492.jpg

Os sabores sao a dar para o tradicional, não há  grande inovação por aqui, mas que são realmente umas barrinha de um doce bom e bem feito não há dúvida!

IMG_7624.jpg

IMG_7622.jpg

E por falar em compras……

IMG_7487.jpg
Com um nome destes, como resistir?

 

IMG_7491
Nada como começar o dia a provar whisky e a comprar mais umas garrafas da bebida favorita do viking.

Embora ao longo do dia A Royal Mile  tivesse mais e mais cheia de pessoas, esta  avenida, à volta da qual cresceu toda a cidade velha, é um local lindíssimo e repleto  de surpresas.

Diz-se que Edimburgo foi a primeira cidade com arranha-céus. A verdade é que com falta de espaço a cidade cresceu em altura. Nos andares de cima viviam as pessoas mais ricas, nos andares perto do chão e mesmo subterrâneos, os mais pobres. Quanto mais pobre mais pequena e escura era a casa.

Entre os edifícios formara-se becos ou corredores que davam acesso às traseiras dos prédios  virados para a Royal Mile. Estes becos chamam-se closes e  podemos encontrar dezenas deles ao subir ou descer a Royal Mile.

 

IMG_7480.jpg

 

Alguns escondem pequenos jardins ou becos  com parques que servem os apartamentos que os rodeiam.

0CF7A40D-1D70-494D-82BB-539F445448E2.jpeg

Outros sao ruelas impossivelmente estreitas e nas quais caminhamos  quase a medo…

IMG_7474.jpg

IMG_7472.jpg

IMG_8392.jpg

IMG_8391.jpg

IMG_8393.jpg

Outros ainda foram transformados em cafés, restaurantes ou lojas…

IMG_8401.jpg
Este café está situado no close onde viveu uma figura histórica  de Edimburgo.

IMG_8388.jpg

A porta da Mimi´s bakehouse é também a antiga entrada num close. Esta mini pastelaria  é conhecida pelos seus bolinhos e cupcakes, e como tem o nome da minha mana, tivemos de parar para mais um café e um bolinho.

IMG_7478 (1).jpg

IMG_7499.jpg

IMG_7497.jpg

IMG_7496.jpg

IMG_7495

IMG_7493.jpg

img_7500.jpg

O sitio é minimo, tem duas mesas. Nós bebemos café e partilhamos um cupcake, muito fofinho e macio com um biscoitinho e um buttercream de baunilha leve por cima.

Já no fim da Royal Mile está o edificio do parlamento escocês que por ser sábado não pudemos visitar, fica para a próxima 🙂

IMG_7484.jpg

IMG_7483.jpg

Ainda antes do almoço  voltámos a subir a Royal Mile para visitar o Mary King´s close. Este close subterrâneo nao estava nos nossos planos. Tinha-nos parecido uma daquelas atracções construídas para turistas com palavras como fantasmas ou assombrado nos cartazes.

Mas eu fiquei fascinada com a ideia de um close escondido por baixo da cidade e acabámos por marcar uma visita. Se puderem marquem a vossa visita com antecedência e online, nós tivemos sorte e ainda conseguimos lugar num tour, mas era Outubro, imagino que no verão seja diferente.

Dentro do close nao se podem tirar fotografias, por isso vou usar algumas do site do Mary Kings close.

 

223054065_1185068ebe_b-1024x769.jpg
Nesta imagem podem ver a parte do close que visitamos durante o tour.

Este close foi parcialmente  fechado para se fazerem novas construções no sec XVII. Os andares mais baixos dos prédios que cercavam o close e que tinham até oito andares foram fechados e usados como alicerces para os novos edifícios.

AAB_7522spotlight

Entra-se em grupos à hora marcada e somos guiados por uma personagem ligada à história do close. A nossa guia era a filha de Mary King, uma burguesa do sec XVII que viveu no local. É uma visita bastante interessante, com alguns aspectos interactivos onde descobrimos mais sobre as personagens históricas que viveram no close, ou como viviam os habitantes da cidade nos sec XVI e XVII.

The-Maid-Meets-The-New-Characters-Of-The-Close-3
Nesta sala os vários quadros conversam com a personagem/guia dando a conhecer um pouco da sua história e da vida no close.

 

real-mary-king-s-close

Algumas salas e histórias são um pouco assustadoras, mas nada que nos tire o sono. Há bastantes escadas e rampas escuras, não é no entanto um local claustrofóbico  nem temos medo que o tecto nos caia em cima a cada segundo.

91f51eb0c80dfb3e77c82b2bc586df74.jpg

86f5bb944423bc89f68de72d5d8df5e5.jpg

E já iamos a caminho do nosso almoço quando…..

 

Almoçámos no Whiski bar  e comemos haggis. Eu como sabem evito comer carne tanto quanto possível, mas  há pratos que quero por curiosidade pessoal e profissional provar. E olhem que haggis foi um prato que realmente me surpreendeu, uma delicia. Reconheço que os ingredientes deixam muitos horrorizados, o meu HC admitiu que não seria capaz de lhe tocar, mas eu sou adepta do nose to tail, se se mata um animal para o comer, é para se comer tudo! (ok, eu  tenho como limite olhos… )

1016717_528552460532853_1295974886_n.jpg

_MG_1144.jpg

_MG_1093.jpg
Estas primeiras três fotografias são do site do restaurante porque  estava tão cheio que eu não quis tirar fotografias aos outros clientes. Nós sentámo-nos na mesinha que está à esquerda.

Embora este restaurante esteja na Royal Mile, no centro do território de turistas da cidade, não é um local caro. O pessoal é simpático e atento, e tanto as bebidas como a comida uma maravilha. (não se pode marcar mesa…..é chegar e sentar, ou beber uma cerveja enquanto se espera por mesa.)

IMG_7506.JPG

IMG_8386.JPGIMG_7509.jpg

E com um almocinho de haggis chegámos à tarde do nosso segundo dia em Edimburgo.

Nao percam no próximo episódio:

-rampa acima rampa abaixo

-muito whisky

-Brian Molko forever!!

Leiam os posts anteriores sobre  a nossa visita a Edimburgo:

dia 1 – guia prático e planos

dia 1 jantar no Aizle

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s