O nosso grande bake off – Em Novembro fazemos Jaffa Cakes

Começo por agradecer mais uma vez por terem logo desde a primeira edição acarinhado, promovido, e participado neste projecto. Somos ainda tao pouquinhos que nem vos vou maçar com um round up, mas este mês aposto que vamos ter mais participantes.

addtext_com_mtq1ndq1mtazmzgw

Continuar a ler

Do meu país e das saudades……

Perguntam-me frequentemente se tenho saudades de Portugal e se pretendo voltar ao meu país.
Quando somos mais novos, ou quando vivemos no local onde crescemos, temos a mania de que não nos identificamos com a nossa cultura, e não nos sentimos portugueses.
Há uns tempos li num blogue, qualquer coisa como “ai e tal eu não gosto de touradas, não vou ao “piquenicão” do Continente, não como orelhas de porco ergo “não me sinto portuguesa”.

DSC_0012
Fiquei na altura espantada com a forma redutora como alguém podia ver ou sentir o espírito português que não fosse conotado com fatalismo, pessimismo, futebol e já agora fado.
E notem que eu não vou à bola, não canto o hino nacional, não abano bandeirolas nem conto como minhas as vitórias e conquistas de um famoso futebolista só porque nascemos no mesmo país.
Quando vim viver para a Suécia adaptei-me com alguma facilidade, mas tive a sorte de ter sido adoptada pela família e amigos do meu marido.

IMG_0424
Não pertenço a associações de portugueses, não conheço de facto outros portugueses que não os senhores da embaixada e do consulado.
À questão das saudades respondi muitas vezes: “sim da minha família e da minha língua”.
Até ao dia, quando ainda era professora na Dinamarca, em que levei um cd da Amália para uma aula. E não sei como, senti repentinamente um tal aperto no coração, uma tristeza….ah..eram as saudades!
Foi o momento em que oficialmente me tornei emigrante.

DSC_0005

E desde então tenho vindo sem medo de parecer parola, ou de que me comparem com a senhora das duas malas de  cartão, a assumir que sim, tenho saudades.
Tenho saudades do cheiro e do sol das praias portuguesas, tenho saudades de passear pelas nossas cidades, da calçada, das pastelarias, da maravilhosa Pão de Rala em Évora, das igrejas, dos mercados, dos senhores nas lojas me tratarem por “menina”, até e vá lá armem-se em hipsters e riam-se de mim: Tenho saudades de ir às compras ao Continente.

E claro que tenho saudades da comida, as minhas malas não são de cartão mas regressam a Malmö cheias de iguarias, queijos, bebidas, pão de rala, folares, e doce de gila.

DSC_0017

 

Só quem está longe compreenderá como subir ao Arco da Rua Augusta e entre outros turistas e dedinhos dos pés, ver o rio e a minha cidade do outro lado, ou como as palavras de Saramago ou Pessoa nos podem fazer sentir que somos de facto portugueses e que a distância dos nossos dias nos faz apreciar mais aquilo que, quem vive diariamente os problemas do nosso país, acaba por esquecer.

Para a receita de hoje usei o doce de gila que trouxe de Portugal e um livrinho de receitas que também se mudou comigo. Um grande obrigado às meninas que me sugeriram receitas para usar o meu doce, e em especial à Maria João por ter partilhado a receita da sua mãe.

A receita que apresento foi bastante alterada da publicada no livro publicado pela revista Activa há uns 20 anos.
As chávenas das fotografias são da Ikea, comprei-as por me fazerem lembrar as cores das loiças portuguesas.

Bolinhos de amêndoa e gila

Ingredientes: (8 bolinhos)

150g de miolo de amêndoa
150 g de doce de gila
3 ovos
30 g de farinha
150 g de açúcar
1 colher de chá de canela moída
Manteiga para untar as forminhas

Preparação:
Aqueçam o forno a 160°C graus. Barrem as forminhas com manteiga.
Batam primeiro o açúcar com os ovos até obterem um creme espesso e esbranquiçado. Juntem os restantes ingredientes envolvendo bem. Deitem o preparado nas forminhas e levem-nas ao forno por aproximadamente 30 minutos.

A escrita em dia e um doce para o fim-de-semana

Quase, quase com o fim-de-semana a chegar, queria aproveitar para vos deixar algumas mensagens. Estes posts são um bocadinho aborrecidos, mas  não sei que outra forma posso usar para comunicar convosco… E para irem comendo enquanto lêem, aqui fica também a sugestão de uns mini bolinhos que espero vos agradem.

  • Antes de mais os meus agradecimentos pela vossa participação e comentários. Obrigada por ontem terem tomado o vosso tempo para partilhar comigo e com os outros leitores da Padaria, as vossas experiências e ideias em relação ao tema da marmita, vou ainda hoje tentar responder aos vossos comentários. Outros blogues focam já este tema com ideias e sugestões de almoços  que podem ser levados para o trabalho, eu vou criar aqui uma categoria com o tema “marmita”, e tentar publicar mais receitas e ideias sobre este tópico.
  • No outro dia vi que alguns comentários de leitores tinham ido parar à caixa do spam,  se me deixaram um comentário que nunca foi publicado, e ao qual eu não respondi, as minhas maiores desculpas. Terei de estar mais atenta ao que o wordpress considera spam.
  • Se também têm um blogue,  deixem-me por favor a vossa morada no formulário dos comentários. De outra forma não sei como vos posso também visitar e conhecer as vossas casas.
  • Não se esqueçam que a segunda edição do Convidei para jantar, está a decorrer em casa da Suzana! Aproveitem para começar o mês com um convidado especial à vossa mesa. (Eu cubro a cara de vergonha porque já escolhi os convidados, mas ainda não me consegui decidir em relação às receitas.)
  • Criei uma página (por baixo do cabeçalho), dedicada aos clientes. Se experimentaram um receita da Padaria, com ou sem sucesso, e gostarem de a partilhar com ou outros leitores, podem fazê-lo aqui. Se têm blogue, basta que façam um comentário com o link para o vosso post, indicando se querem ou não que eu publique uma fotografia vossa. Se não têm blogue, como a Andrea, que me sugeriu a criação deste espaço, enviem as vossas fotografias por e-mail. Tomo a liberdade de marcar as imagens com os nomes dos autores.

E sem mais demora porque o sábado se aproxima e precisamos de um docinho para o fim-de-semana, aqui fica a receita destes mini bolinhos de amêndoa e pêra.

Usei uma receita para o recheio de tarte frangipane, mas substitui a manteiga por queijo cottage, em termos de textura e sabor, acho que até melhorou um pouco. Nota-se o sabor a queijo, e no que diz respeito a gordura e calorias,  é muitíssimo mais simpático.  Em vez de ramekins, podem usar uma forma grande e claro que a escolha da fruta fica ao vosso critério. Podem servir os bolinhos tal como estão nas fotografias, ou virados ao contrário estilo up side down cake.

Ingredientes: (4 ramekins)

  • 150 gramas de queijo cottage ou requeijão
  • 120 gramas de açúcar
  • 3 ovos
  • 225 gramas de amêndoas picadas
  • 1 pêra grande descascada e cortada em pedacinhos
  • 1 colher de café de canela
  • Manteiga para untar e farinha ou açúcar para polvilhar os ramekins

Preparação:

Aqueçam o forno a 180ºC.

Untem e polvilhem os ramekins. Cubram o fundo das forminhas com a pêra.

(Se estão a usar cottage cheese, escorram-no bem antes de o misturar com os outros ingredientes.)

Batam os ovos com o açúcar e a canela. Acrescentem o cottage cheese/requeijão batido, e por fim as amêndoas.

Deitem o preparado nos ramekins e levem ao forno até que estejam firmes e douradinhos. (Com o tamanho dos meus ramekins demora 25 minutos, para ter a certeza de que estão prontos, não se esqueçam do teste do palito.)