Almoço na Taberna do Mercado e a nova paixão do Viking

O almoço na Taberna do Mercado do chef Nuno Mendes foi a melhor refeição desta nossa visita a Londres. Podem ler mais sobre este dia aqui.

Sempre achei estranho que durante as férias se queira comer e viver como se estivéssemos em casa. São os ingleses que não passam sem o fish and chips, os suecos que vão para hotéis com outros suecos ouvir música sueca, comer almôndegas e salmão fumado.

IMG_4013

Continuar a ler

Convidei para jantar – Dois pintores

Este mês por pouco não se sentavam convidados à minha mesa, mas cá estão eles: Giuseppe Arcimbold

o e H.R. Giger,  à primeira vista a mais estranha das combinações, e a minha participação do CpJ que decorre em casa da Guida.

Enquanto preparo o nosso petisco, brincam com vegetais da mesa da cozinha, e das suas mãos sai um pequeno Alien feito ao estilo de Arcimboldo. Encantador, não acham?

O petisco segue o tema dos vegetais, pataniscas de milho e cenouras, uma delícia que acompanhamos com cerveja belga, pois claro, e uma leve maionese de leite e coentros.

DSC_0521 (4)ph

Pataniscas de milho e cenoura

Ingredientes:

  • 120 g de farinha
  • 1/2 cdc de fermento em pó
  • 2 ovos
  • 1/2 dl de leite
  • sal e pimenta
  • 1 chili picadinho
  • 1 raminho de coentros picados
  • 200 gramas de cenouras raladas
  • 150 gramas de milho
  • óleo para fritar

Preparação:

Nada mais simples. Misturem rapidamente todos os ingredientes e fritem as pataniscas num pouco de óleo. (Não é preciso fritar estilo batatas, um fiozinho de óleo no fundo da frigideira para ajudar na cor e no estaladiço das pataniscas é o suficiente.

Fotos: http://www.riccart.com/english/Giuseppe-Arcimboldo.htm

mais sobre Giger – http://www.hrgiger.com/frame.htm

O pequeno alien é uma obra de Till Nowak e chama-se “Salad. Vejam mais aqui: http://www.framebox.com/

Também vou ao piquenique

E se a mais simples das entradas  se transformasse numa irresistível mistura de aromas, sabores e texturas?

Queijo creme e bolachas de água e sal, tudo feito em casa, ao nosso gosto, em pouco tempo  e com o mínimo de trabalho. Tenho a certeza de que nunca mais vão comprar um caixa de queijo philadelphia.

Com estas simples receitas, participo no piquenique que a Manuela está a organizar para celebrar o primeiro ano do seu blogue. Até ao fim do mês podem também  trazer um prato ou bebida e sentar-se connosco ao Sol. Não deixem de participar.

Fazer queijo creme em casa  é  fácil e  a combinação de sabores que podem usar depende apenas das vossa imaginação. Alho e ervas aromáticas, chili, um pouco de caril….

Eu usei um filtro para a máquina de café  feito de pano e que é reutilizável, mas imagino que um filtro de papel, ou um pedacinho de tecido próprio para fazer queijo sobre um passador fino também resulte bem.

Queijo com menta e limão

Ingredientes: (1,5 dl de queijo)

  • 2,5 dl de iogurte grego ou turco com 8 a 10% de gordura
  • Folhas frescas de menta
  • Raspa e sumo de meio limão
  • Sal e pimenta.

Preparação:

Misturem o iogurte com sal e pimenta. Coloquem-no no filtro de café e suspendam-no sobre um recipiente de modo a que o líquido que vai escorrendo não esteja  em contacto com o fundo do filtro. Guardem no frigorífico durante 12 horas. Misturem o creme que está no filtro com a raspa e o sumo de limão e umas folhinhas de menta picadas, rectifiquem os temperos. Sirvam com bolachas ou legumes em crus em tirinhas. Desde que o  mantenham no frigorífico, o queijo permanece fresco e delicioso durante vários dias.

Bolachas estaladiças:

Ingredientes:

  • 100 gramas de farinha de trigo
  • 75 gramas de farinha de trigo integral
  • 1 colher de café de sal (mais ou menos de acordo com o vosso gosto)
  • 1 colher de chá de canela
  • 1 colher de sopa (rasa) de mel
  • 4 colheres de sopa de azeite
  • Água.

Preparação:

Aqueçam o forno a 200 C

No processador de alimentos misturem todos os ingredientes. Aos poucos vão acrescentando a água até obterem uma massa bem  ligada.

Estendam a massa numa superfície levemente enfarinhada, cortem as  bolachinhas usando cortadores de bolachas, uma faca ou uma roda para fatiar pizzas. (Quanto mais finas, mas estaladiças e saborosas ficam as bolachas.) Piquem as bolachas com um garfo e cozam-nas durante aproximadamente 10 minutos.

Podem  facilmente duplicar a receita e guardar as bolachas durante pelo menos uma semana, numa lata bem fechada, continuam estaladiças e muito aromáticas.

Batatas bravas

 

Para participar esta semana no BSI, cujo tema era salsa, escolhi fazer salsa brava acompanhada das respectivas batatinhas. Como sabem este prato é uma das tapas favoritas dos espanhóis. Para a minha receita optei por assar as batatas no forno em vez de as fritas como mais habitualmente se faz. Acompanhem o petisco com um vinho branco ou uma imperial geladinha, de preferência em boa companhia e enquanto aproveitam o Sol neste início de Primavera.
 
 

Para  a salsa brava:

  • 2 colheres de sopa de azeite
  • ½ cebola picada (eu prefiro cebolas vermelhas)
  • 1 dente de alho picado (opcional, eu não aprecio)
  • 2 tomates maduros picadinhos
  • 2 colheres de chá  de pimentão
  • Chili em  seco em flocos, ou piri-piri a gosto
  • 1 pitada de açúcar
  • 1 pitada de sal
  •  1 colher  de sopa de maionese
  • Salsa picada para decorar.

Para as batatas:

  • Batatas
  • Sal
  • 1 colher de sopa de azeite.

Preparação:

Descasquem e cortem as batatas, cozam-nas em água com sal durante uns 5 minutos. Aqueçam entretanto o forno a 200ºC.

Escorram bem as batatas, coloquem-nas num tabuleiro de ir ao forno, salpiquem-nas com um pouco de sal e pimenta,  pincelem com um pouco de azeite e levem ao forno até as batatas estarem douradas e completamente cozinhadas.

Entretanto preparem também a salsa.

Numa frigideira levem ao lume brando a cebola, o alho, o azeite, o pimentão, e o chili, até tudo estar cozinhado, temperem  com sal e uma pitada de  açúcar se for necessário balançar um pouco a acidez. Retirem do lume e deixem arrefecer um pouco antes de acrescentar a maionese e decorar, mesmo antes de servir, com um pouco de salsa picada.