A minha vida na Suécia · A Pastelaria · Ana - cozinheira · bolos e sobremesas

Halloween a sério com cemitério de chocolate

Este ano a nossa sobremesa de Halloween é uma homenagem, ao estilo da data, a algumas pessoas que admiramos e já nos deixaram.

DSC_0046

Continue reading “Halloween a sério com cemitério de chocolate”

A minha vida na Suécia · A Pastelaria · Cremes, molhos, gelados e mousses · gelados e mousses

Que a Força esteja convosco – a festejar o may the fourth

Sim o viking e eu somos uns nerds de primeira. E claro que aqui em casa se festeja o dia 4 de Maio, dia internacional do Star Wars, o May the fourth be with you.

DSC_0915

Há talvez um ano, vi um video que usava uma forma da Millennium falcon e nesse mesmo dia encomendámos a nossa pequena pequena nave de silicone.

Esta forma nao pode ir ao forno, e portanto serve apenas para fazer sobremesas geladas, ou em dias de emergencia e pouco tempo, como desta vez, um chocolate recheado com mousse de chocolate de uísque e amêndoas.

DSC_0916

A receita é muito simples, mas recomendo-vos que se puderem temperem o chocolate, ou usem “chocolate” sem manteiga de cacau que nao precisa de ser temperado.

Se fizerem esta nave e a servirem directamente do frigorifico, ou se nao estiver muito calor, não temperar o chocolate significa que ele vai perder a sua estrutura mais crocante e ficar um bocadinho para o pastoso, se estiver calor, vulgo, se viverem em Portugal, o chocolate não temperado amolece à temperatura ambiente.

DSC_0920

Eu tenho prometido a mim mesma que hei-de publicar um post sobre como temperar chocolate em casa sem tábua de mármore, vamos ver para quando será….

Millenium Falcon para o meu viking

Ingredientes:

500 g de chocolate branco (300g +200g)

1 receita de mousse de chocolate de Herve this – metade da quantidade de água substituída por uísque)

amêndoas picadas grosseiramente ou outros frutos secos

Preparacao:

Temperem 300 g de chocolate e cubram com ele o fundo e lados da nave. Batam com a nave na bancada para evitar bolhas e ter a certeza de que o chocolate chega a todos os lados da forma.

deixem solidificar. (podem levar ao frigorifico, especialmente se o chocolate não estiver temperado)

Recheiem a forma com a mousse. Levem ao congelador enquanto temperam os restante 200 g de chocolate.

Arrefeçam o chocolate e cubram com ele o topo da nave tapando bem a mousse.

Deixem solidificar.

Pintem a nave com corante alimentar ou apenas como eu fiz, com uma mistura de pó alimentar prateado dissolvido num pouco de uísque.

May the force be with you!!

A Pastelaria · bolos e sobremesas

25 anos de White Heat e uma receita para o Senhor White

               “Lots of famous chefs today don’t look whacked, because they don’t work. They have a healthy glow and a clear complexion. There is blood in their cheeks. They haven’t got burns on their wrists and cuts on their hands.” – Marco Pierre White

White Heat o mais emblemático livro de Marco Pierre White e que muitos consideram ser o mais importante livro de culinária das últimas décadas foi editado há 25 anos. Parte autobiografia, parte livro de receitas, parte playgirl, este livro marca a passagem da imagem de um chef de cozinha de um tipo gordo e gorduroso a um jovem sex symbol.

DSC_0166

Este foi o chef que devolveu as estrelas e mandou o guia Michelin às urtigas, que fez Gordon Ramsay chorar e que nunca deixou de usar o avental azul destinado aos commis por se considerar um eterno aprendiz.

Leiam mais sobre este aniversário e vejam algumas fotografias deste chef aqui.

Para me juntar às celebrações desta data preparei uma receita, que embora não venha publicada num dos seus livros fez tremer chefs profissionais do Materchef Uk: Crepes Soufflé

DSC_0158

Pensei antes de me fechar na cozinha que esta experiência não ia acabar em bem, tinha ainda na memória os chefs britânicos banhados em suores frios, a talhar o creme pat e queimar crepes, mas honestamente não é uma receita tao complicada ou impossível de pôr em prática como receava. Eu aconselho a sua preparação para um jantar especial ou romântico.
Se tiverem todos os elementos previamente preparados basta bater as claras, rechear os crepes e levá-los ao forno 10 minutos antes de servir.

DSC_0161
O viking e eu comemos os nossos mal as fotografias foram tiradas, e antes que o soufflé desmaiasse dentro dos crepes. Deliciosos e impossivelmente leves, uma receita de nos levar às nuvens.

DSC_0164

Para esta receita vão precisar de:

Crepes
Creme de pasteleiro
Merengue francês

Os crepes:
Ingredientes (8 crepes)

• 150 g de farinha
• 3 ovos
• 0,5 litro de leite
• 2 colheres de sopa de manteiga + manteiga para a frigideira
• 1 pitada de sal
• 2 colheres de sopa de açúcar mascavado
Preparação:
Na tigela misturem os ovos, a farinha, o açúcar e o sal, batam com o batedor de varas. Aos poucos adicionem o leite.
Na frigideira onde vão fazer os crepes derretam a manteiga. Adicionem-na à massa anterior e misturem bem.
Deixem a massa repousar no frigorífico meia hora.
Cozinhar os crepes:
Ponham ao lume médio a frigideira, com um pincel de cozinha, ou papel absorvente, espalhem bem o resto da manteiga. Podem colocar um pouco mais, a manteiga serve apenas para untar a frigideira, os crepes não devem ser fritos!
Quando a frigideira estiver quente deitem uma concha da massa, e agitem-na de modo a que a massa cubra toda a frigideira. O crepe deve ser fininho. Eu uso a medida de 1 concha para uma frigideira grande, se a vossa é mais pequena têm de usar menos massa.
Não se atirem logo ao crepe a querer virar e atirar ao ar. Deixem-no sossegado até ele se começar a descolar dos lados da frigideira e a fazer bolhinhas. Depois basta virá-lo com uma espátula e deixá-lo cozinhar do outro lado. Reservem.

Creme de pasteleiro:
Vejam a minha receita aqui neste post com uma fotografia de arrepiar.

Merengue:
4 claras
150 gramas de açúcar

Preparação:
Batam as claras até formarem picos médios. Acrescentem o açúcar aos poucos batendo sem-pre.

30 minutos antes de servir:

Aqueçam o forno a 180°C.
Envolvam o merengue no creme de pasteleiro. Recheiem os crepes e levem-nos ao forno até o soufflé crescer e estar cozinhado (8 a 10 minutos) Polvilhem eventualmente com icing sugar, decorem a gosto e sirvam imediatamente.
Nota: Como esta foi uma receita feita a pensar em Marco Pierre White acrescentei duas colhe-res de sopa de uísque ao creme de pasteleiro, teve de ser…..

Ana - cozinheira · bebidas · bolos e sobremesas · Cremes, molhos, gelados e mousses

Uma semana cheia de mudanças e um pouco de conforto para o meu viking

Eu sabia que era inevitável.
Admito de depois do choque da notícia me comecei a preparar, a convencer de que eu tinha de mudar. “O restaurante não é a tua casa”, “Isto é um emprego não é uma missão”, “deixa de trabalhar horas extras, deixa de fazer turnos de 15 horas sem uma pausa”, “há tantas coisas que queres fazer e nunca tens tempo, aproveita agora”.

DSC_0110
A trabalhar no restaurante há tanto tempo e salvo os dias em que alguém esteve doente, fui poupada ao turno da noite excepto em Setembro.
A partir desta semana deixo os almoços e começo no turno do jantar.
Sou uma pessoa optimista, penso que ter os dias livres representa mais tempo para passear, ler, para o blogue, para testar receitas em casa.
Sou positiva, já não preciso de me levantar todos os dias às 5.30 a.m., apanhar o autocarro às 6.20, começar a trabalhar às 7 da manhã. Deixo a responsabilidade de ter de receber e conferir mercadorias, desempacotar caixas e caixas de alimentos, ter a comida pronta para o staff do hotel, para o serviço de almoço….
Sei que o chefe que vai tomar conta do almoço tem trabalhado de noite desde que começou connosco há quase um ano. Sei que é justo, sei-o, mas tenho medo.

DSC_0105
Receio o estado em que a cozinha vai estar quando eu começar o meu turno porque a verdade é que este chef é o tipo mais desorganizado e porquinho que conheço na cozinha.Receio perder o contacto com o que se passa no hotel durante o dia.
Mas nada é pior do que deixar de ter tempo para estar com o meu viking. Porque a verdade é que ele me deixa a dormir quando sai para o trabalho, e quando eu volto do restaurante ele já está deitado.
Penso muitas vezes se deveria ter continuado a trabalhar num infantário, se deveria deixar este emprego e procurar outro com horários mais estáveis, onde eu pudesse estar em casa todas as noites, onde não trabalhasse todos os sábado e tivesse um dia de folga numa quarta-feira.
Mesmo com todo o apoio do mundo do viking sinto-me culpada, quase como se o tivesse enganado. Porque a verdade é que ele conheceu uma professora, apaixonada por Literatura Medieval, com cabelo longo e mãos bonitas, e passados onze anos tem em casa uma mulher que chega a casa (quando chega) a cheirar a comida, coberta de cortes e queimaduras.

DSC_0107
Não me interpretem mal, não tenho do que reclamar, e não sou mulher para perder tempo com auto comiseração, mas quando estou no trabalho (que na verdade é o meu passatempo), e recebo uma mensagem do marido: “amor, devias estar em casa há três horas”, sinto um aperto no coração.
No fundo o que preciso é de tentar equilibrar melhor o trabalho com a vida privada, aprender a valorizar melhor o que realmente importa.
Hoje neva, está frio, ideal para nos metermos na caminha com chá, livros ou um filme e os nossos meninos. Eu trabalho até às onze da noite, e ao meu viking que vai passar o serão sozinho com três gatos, deixo-lhe estes potinhos de chocolate e uísque.

DSC_0118

Potinhos de chocolate com espuma uísque (não gosto muito desta palavra em português…uísque…soa estranho não?)

Esta é mais uma receita que se faz em minutos, eu faco estes potinhos quando tenho o forno quente depois de o usar para outros cozinhados. (160°C) Podem ou não usar a baunilha ou o uísque, claro.

Ingredientes: (6 potinhos, eu uso chávenas de café)

• 100 g de chocolate amargo
• 100 ml de leite
• 1 ovo
• 1 colher de sopa de sopa de uísque
• Extracto de baunilha

Para a espuma

Ingredientes:
• 1,5 dl de leite
• Uísque
• 1 colher de chá de café solúvel
• 1 colher de sopa de açúcar

Preparação:
Levem a levantar fervura o leite com o uísque e a baunilha. Deitem a mistura sobre o chocolate picado. Misturem, acrescentem o ovo batido, encham as vossas chávenas ou potinhos e colo-quem-nas no forno. (Aquecido a 160°C).
Desliguem o forno e deixem a porta semi-aberta.
Continuem com a vossa vida. Quando o preparado dos potinhos tiver solidificado um pouco coloquem-nos no frigorífico.

Mesmo antes de servir preparem a espuma aquecendo todos os ingredientes e batendo-os com uma varinha mágica.
Deitem a espuma quente sobre os potinhos frios e sirvam imediatamente.